Arquivos da categoria: Geral

Mascavo – um gatinho para adoção

Olá!

Quem me conhece sabe que sou apaixonada por gatos. Mas tudo na vida tem limite. Trabalho muito (e amo trabalhar), tenho um marido que é de Campinas, então tentamos estar lá aos finais de semana, viajo bastante tanto a trabalho quanto a passeio – porque também amo viajar, e já tenho 3 gatos ‘oficiais’: a Mingau Regina, uma siamesa osso duro de roer que fará 14 anos em dezembro; a Mia Maria, uma frajolinha de 4 anos, meiga, sociável, ronronenta e tudo mais de bom; e o Biscuit, um sialata de 1 ano e meio que é meio assustadinho mas super doce e brincalhão.

Bom, eis que há uns dez dias atrás surge um gatinho miando horrores na garagem da vizinha. O chamei da rua e ele veio rapidinho pro meu colo, ronronento e carente. Achávamos que ele estava perdido mas depois descobrimos que algum infeliz e criminoso (abandono de animais É CRIME) o abandonou nas imediações, porque encontramos uma caixa furada e com ração dentro.

O tal gatinho estava meeega pulguento, com as almofadinhas das patas com queimaduras já cicatrizadas (provavelmente de dias com asfalto quente) e não castrado. É um siamês que a dentição indica ter cerca de 7 meses de idade.

Ele é muito doce e ronronento, adora carinho, brincadeira, atenção e se dá bem com outros gatinhos (às vezes os outros gatinhos é que resistem um pouco ao charme dele… rsrsrs… acontece!)

Brown Sugar 2

Providenciamos teste de Aids felina e Leucemia felina (deram negativo), despulgamos, vermifugamos, vacinamos e também providenciamos a castração.

Agora estamos em busca de um adotante. Alguém quer dar um lar de amor para esse pequeno, que apesar de já ter sofrido tanto em tão pouco tempo de vida, é um docinho?

Estamos em São Paulo capital e levamos até o adotante aqui em SP ou cidades próximas como o Grande ABC (adoção responsável: para apartamentos ou casas com telas e sem acesso à rua).

Entre em contato comigo!

um beijo,

Christy

Dicas que Amamos – Como Organizar Lenços, Cachecóis e Echarpes

Olá Mulherada!!!

Inverno chegando e é hora de usar cachecóis e echarpes. Confesso que até mesmo os lenços deixo meio ‘esquecidos’ durante as estações mais quentes, seja pela correria, seja por me incomodar aquela coisa quente no pescoço em pleno calor. Enfim… Abri a caixa dos lenços e na verdade ela quase explodiu na minha cara!  Gzuis, como organizar essa bagunça? Como deixar lenços, echarpes e cachecóis de modo que na correria eu saiba quantos tenho, quais cores, texturas e tamanhos tenho para fazer alguma combinação???

Bom, pesquisei bastante… Uma das opções é deixar numa caixa mesmo, que por falta de espaço acaba sendo um recurso. Mas vale lembrar que tudo fica ‘socado’ e ‘soterrado’, quando acabamos usando sempre as mesmas peças preferidas, que ficam por cima. As debaixo acabam esquecidas e preteridas.

MASSS: Mesmo que opte pela caixa, o caminho inicial é fazer uma limpeza: veja os itens que têm sua cara e os que não têm, e não guarde as peças não for usar. Doe. Doe para amigas, irmãs, doe para instituições de caridade, empregadas da casa, enfim, não ocupe seu armário, seu espaço e sua energia com itens que não tem utilidade pra você. Vamos abrir espaço para o novo! ;)

Feita a limpeza, vamos lá. Como organizar? Depois da tal pesquisa concluí que os meios mais efetivos são: cabides tipo calceiros para cachecóis e echarpes volumosos e uma ‘sapateira’ de fixar atrás da porta para lenços menos volumosos.

Antes disso comprei cabides com ganchos, com furos, com argolas, enfim, uma variedade grande de opções que encontramos na internet. As que melhor que se encaixaram na minha opinião, por espaço e tentativa e erro, foram as acima.

Como sou exagerada e ‘siricutiquenta’, como meu marido me define bem, logo comprei 2 sapateiras MARA para colocar echarpes (no site ELO7, super recomendo) – fixei a minha atrás da porta com dois preguinhos básicos e ela ficou muuuito bem, por ser totalmente transparente.

Porta Lenços_Calceiro

Porta Lenços_Atras Porta

Então doarei para uma interessada: se tiver interesse na sapateira – que virou porta lenços – manifeste-se aqui no blog ou na página do blog do Facebook. Havendo mais de uma pessoa interessada, farei um sorteio e enviarei via correio (ou combinarmos um café)!

Um beijo!

Christy

 

Esteriótipos sobre Homens e Mulheres

Ontem no Blog do Estadão foi publicada uma matéria muito boa, de autoria do RENATO ESSENFELDER, sobre a “mulher que é independente – e acha que está ‘avulsa’ pois os homens não foram criados para aceitarem mulheres assim”.  

Recomendo a leitura e a reflexão!!! (segue link abaixo)

mulher indep

A culpa não é das estrelas: estereótipos sobre homens e mulheres

RENATO ESSENFELDER – Segunda-Feira 23/06/14

Dizer que a mulher de hoje é criada para ser independente, e que homens não gostam de mulheres independentes, é um erro. Homens e mulheres são muito diversificados, e seus desejos, muito mais complexos.

O mais fascinante das pessoas é que elas não cabem em caixinhas. Não se deixam definir. Na vida real ninguém é plano como um vilão de novela ruim. Quem é vivo, surpreende. Sempre.

Quando se fala, portanto, que “a mulher de antigamente era criada para ser dona de casa” e “a mulher de hoje é criada para ser uma executiva e conquistar o mundo”, pode celebrar essa conquista histórica. Mas, no fundo, está trocando uma etiqueta por outra. É preciso haver mais.

A mulher que lamenta não conhecer homem que queira “uma mulher independente” como companheira precisa rever conceitos. Enxergar conteúdos por baixo de rótulos. O conteúdo sempre é mais complexo – e indefinível.

Os homens – como as mulheres – são muito diversificados. Já mencionei mais de uma vez por aqui que não gosto de futebol, não me encanto por carros, sou um desastre em trabalhos manuais, a ponto de chamar um “marido de aluguel” para parafusar quadros nas paredes. Nada disso, é óbvio, me faz menos homem.

Já tive namoradas de todos os tipos. Algumas eram mais delicadas, outras, menos. Algumas eram mais vaidosas, outras, menos. Algumas sabiam manejar prego, martelo e furadeira, outras, não. Algumas adoravam cozinhar, outras mal sabiam ferver a água. Algumas ricas, algumas pobres. Nada disso fez qualquer uma delas mais ou menos mulher, melhor ou pior.

O fiel da balança é sempre o amor, esse mistério que não cabe em planilhas.

As pessoas são fascinantes porque não cabem em caixinhas, porque recusam rótulos. A mulher dos meus sonhos é aquela por quem me apaixono. Simples assim.

Não entendo, portanto, o que significa “ser criada para ser o que um homem não quer”. Que homem é esse? Existem tantos tipos de homens quanto de mulheres. O fato de você ser gorda, magra, alta, baixa, carente, independente, vai afastar alguns, vai atrair outros. Fique com os que se atraem pelo que você é. Não tente mudar ninguém.

Outro dia registrei alguns conselhos para a minha filha de 10 anos. Todos diziam respeito à generosidade, ao afeto, à compaixão. Isso é o que importa. Conquistar o mundo querem os vilões de Hollywood. Não há a menor relevância nisso. O importante é ser feliz.

No mais, quero que ela faça as suas próprias escolhas, sem culpar a sociedade ou a criação que lhe dei, e se responsabilize por elas. Dona de casa ou física nuclear. Casada ou solteira. Hétero, homo, bissexual ou nada disso. Ninguém dirá a ela como agir, e, se o fizerem, ela será responsável por acatar ou não – como suportar um emprego tedioso para ganhar dinheiro. Ou jogar tudo pro alto.

É importante que ela saiba tanto estabelecer regras como buscar consensos. Que não seja despótica, mas solidária. Nesses dias, um certo pai fez sucesso na internet ao usar uma camiseta com os dizeres: “regras para namorar a minha filha: 1 – eu não faço as regras; 2 – você não faz as regras; 3 – ela faz as regras; 4 – corpo dela, regras dela”. Sobre o próprio corpo cada um estipula as próprias regras, isso é indiscutível. Mas, no namoro, ela também não deveria estipular as regras. Ou há um consenso no casal ou não há nada. A vida afetiva não pode ser regulada nesses termos.   

Por fim, não há sentido em “correr atrás” de ninguém, homem ou mulher. A posição pela qual devemos batalhar é de igualdade. Chega de dominantes e dominados, de gente correndo atrás de gente. Homens versus mulheres versus homens? Vivemos tempo demais sob paradigmas bélicos.

Correr atrás, só do grande amor. E então: sintonizar os passos.

Pois somos todos iguais, mas somos todos singulares.

Nossos desejos são tão diversificados quanto nossos números.

Que cada um de nós possa, então, encontrar quem nos ame como somos.

Sem etiquetas.
______________________________________________

E sem retoques!!! ;-)

http://blogs.estadao.com.br/renato-essenfelder/2014/06/23/culpa-das-estrelas/

beijos e uma ótima semana!

Christy

 

BLOG ‘Sem Retoques’ – De onde veio isso?

A ideia de criar um blog surgiu faz pouco tempo. Pouco mesmo, mês passado. E como sou do tipo que quer resolver as coisas o quanto antes, aqui estou. Mas por que o blog? Bom, são vários os motivos.

Sou mulher, executiva, esposa, filha, irmã, amiga – ou seja, como todas as mulheres exerço vários ‘papéis’ e às vezes dá vontade de dividir matérias que acho bacanas sobre essas nuances. Além disso, volta e meia tenho algumas ideias, vivo experiências ou vejo coisas na internet e fico querendo compartilhar.

Saí da casa dos meus pais aos 18 anos – e até lá eles ensinaram a fazer tudo de casa, limpar, lavar, cozinhar. Eu detestava, mas hoje agradeço imensamente. Morando fora, em adição a tudo que já tinha aprendido com eles, descobri alguns macetes domésticos, dicas para tirar manchas específicas, produtos que funcionam ou não, receitas práticas, cositas assim. ADORO cozinhar e gosto de dividir as experiências e receitas – e receber também das amigas as dicas e receitas que tenham. Nessa vida corrida nada melhor que receitinhas gostosas, rápidas e fáceis…

ENFIM, um blog para viabilizar essa troca me pareceu óootemo. Desejo alimentar o blog uma vez por semana ao menos, mas quero que seja um prazer e não uma obrigação – vou descobrir com qual frequência consigo o atualizar, é uma experiência completamente nova para mim!

Por todas as razões acima achei bacana dar o nome ao Blog de “Sem Retoques”: não desejo ficar ‘retocando’ o que vou postar; sou bastante ‘direto ao ponto’ e assim será o blog; enfim, que venha o novo! :)

Seja bem vinda/o! E até o próximo post!

Beijinhos!